A importância dos relacionamentos: Pais e Filhos

Hoje falaremos sobre a música “Abismo de Gerações” do músico, arranjador e compositor João Alexandre. Esta música sempre chamou minha atenção pelo modo simples de como ele descreve as complexidades dos relacionamentos e da necessidade que temos de compreender e entender o outro.

 

Eu tenho a leve impressão 
De que as coisas um dia vão melhorar
Porque do jeito que estão 
Não suporto, não podem continuar 

Quando ele é “sim”, eu sou “não” 
Se ele é “certeza”, eu “sei lá” 
E entre nós se abrindo o abismo vai 
Das gerações 

 

Às vezes em nossa caminhada cristã temos a sensação de não sermos entendidos pelo nosso próximo, seja ele nosso pai ou mãe ou mesmo nosso amigo do trabalho, faculdade ou da própria igreja. Com isso, ficamos num verdadeiro abismo de conceitos, filosofias de vida e valores que, de repente, não entram mais em consenso. Irei tratar especificamente da relação entre pais e filhos.
Já não consigo entender 
O seu jeito esquisito de conversar 
“Eu tô legal, pode crer 
Dá um tempo que a vida ‘inda vai rolar” 

 

Sobre os pais, sempre há aquele conflito entre as novas gírias que utilizamos e as roupas que usamos para nos sentirmos “ da galera”. Esses novos hábitos e comportamentos geram um certo desconforto por parte deles, seja por serem de outra época seja por não aceitarem as novas mudanças à qual estamos passando. As brigas começam a acontecer e algumas barreiras são formadas por ambas as partes, tornando a situação um tanto quanto delicada.

Sou Fluminense, ele é “Flá” 
Se eu sou conversa, ele é “plá” 
E entre nós se abrindo o abismo vai 
Das gerações…

 

Os abraços dão lugar a magoas e desafetos, o costumeiro beijo de boa noite agora é substituído por outras formas de tratamento muitas vezes ríspidas e de pouco calor humano como um “Tá Ok” ou “Vai na sombra, coroa”. Em última análise, a relação torna-se fria e automática e à medida que o tempo passa pais e filhos tornam-se verdadeiros estranhos em casa.

Nesse contexto, é interessante como a bíblia trata sobre a dinâmica dos relacionamentos. Em Efésios 4:2,3 ela orienta “Sejam completamente humildes e dóceis, e sejam pacientes, suportando uns aos outros com amor. Façam todo o esforço para conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.” Observem que o apóstolo Paulo utiliza o verbo FAZER no imperativo “FAÇAM”, ou seja, tudo parte de atitudes como paciência, humildade e tolerância em buscar amar o outro. Em outras palavras, é como se o apóstolo estivesse dizendo “não espere pelo outro! Dê o braço a torcer! Vá e aja!”.

 

Por isso Deus tem que ser pra nós 
Ponto de encontro uma mesma voz 
Que nos converte um ao outro e nos traz a paz 
Abismos nunca mais

 

Portanto, a harmonia dos relacionamentos familiares ocorre quando Deus está no centro, sendo o ponto de encontro entre pais e filhos, mantendo cada qual com sua personalidade e suas características individuais, e assim fechando as rupturas e fendas que os abismos de gerações trazem com o tempo.

Silas Guilherme

Silas Guilherme

Alcançado pelo amor e misericórdia do Senhor Jesus e dependente diário da Graça de Cristo.
Silas Guilherme

Últimos posts por Silas Guilherme (exibir todos)