Lições de uma guerra

 

“-Não é porque é o lado mais fácil que seja o errado”

*Leia a vontade, sem perigo de spoiler

O orgulho é sem dúvida um dos grandes vilões de nossa vida cristã, ele nos impede de reconhecer um erro, de admitir uma derrota, de ter a essência da humildade em nossos corações. O orgulho fere e deixa feridas, causa conflitos e até guerras entre amigos, dando de bandeja a vitória para o verdadeiro inimigo. Assim aconteceu com Tony Stark ou o Homem de Ferro (desculpe pelo spoiler para quem não sabia que os dois são a mesma pessoa :p). No mais novo lançamento da Marvel Studios Capitão América: Guerra Civil, o herói milionário de ferro assim como todos os outros personagens bem como o próprio capitão América (que foi um pouco esquecido com a divulgação do trailer estrelando o novo cabeça de teia, mais jovem, mas sempre irreverente) tem de tomar a decisão de apoiar ou não a decisão do governo de praticamente controlar os vingadores, limitando suas atuações, apenas sendo possível agir depois de uma reunião prévia do estado para decidir se realmente se faz necessária a atuação do grupo.

Nesse aspecto, claramente nota-se a tentativa de submissão dos vingadores por parte dos governantes. Podemos enxergar a submissão como algo positivo quando falamos do relacionamento entre homem e Deus, veja o que diz a Palavra de Deus em Hebreus 5:7:

“Durante os seus dias de vida na terra, Jesus ofereceu orações e súplicas, em alta voz e com lágrimas, àquele que o podia salvar da morte, sendo ouvido por causa da sua reverente submissão”.

Aqui vemos o enaltecimento da submissão de Cristo a Deus pelo autor do livro de Hebreus, sua humildade e amor constrangem o coração daqueles que já tiveram um verdadeiro encontro com o Filho de Deus. Devemos nos submeter a Deus, a sua vontade que é perfeita e agradável e não a vontade de homens como ocorre no filme. No contexto do filme ao qual estamos abordando no texto de hoje, os heróis dividem-se naqueles que assinaram (liderados pelo Homem de ferro) e os que não assinaram o tratado (liderados pelo Capitão América) que restringe e submete as ações dos super-heróis.

Reprodução/ Marvel Studios
Reprodução/ Marvel Studios

Conflitos de idéias é algo bem visível no filme, isso não é ruim em nossa vida cristã, desde que produza bons frutos e gere esclarecimentos de dúvidas de uma ou de ambas as pessoas, mas quando isso assume um caráter de divisão, separação e no caso do filme até violência certamente, não provém de Deus. A casa do Senhor não é um local onde temos o direito de nos dividir em grupos, as famosas panelinhas, semelhantemente ao filme #teamcapitao e #teamhomemdeferro, mas sim uma equipe unida, uma família, um corpo, cujo a cabeça é Cristo.

A manipulação de sentimentos como a raiva que gera desejo de vingança, é algo bastante usado pelo verdadeiro inimigo do cristão veja o que o apostolo Paulo afirma em sua carta aos Efésios 6:12:

“Porquanto, nossa luta não é contra seres humanos, e sim contra principados e potestades, contra os dominadores deste sistema mundial em trevas”.

Ou seja, o diabo tenta de qualquer maneira nos jogar contra pessoas, quando na verdade o inimigo, que é ele mesmo, se diverte com isso e espera que continuemos assim, lutando com palavras e discussões ao invés de oração, perdão e compaixão. Da mesma forma enquanto os heróis do filme, principalmente Capitão América e Homem de ferro medem forças literalmente juntamente com vários heróis, o verdadeiro e vingativo inimigo observa, rir, e aplaude o show.

A personagem Viúva negra diz durante o filme uma frase que muito me chamou a atenção: “Não é porque é o lado mais fácil que seja o errado” e lembra muito bem o que diz o evangelho de Mateus 7:13: “Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho”. Nesse aspecto minha cara viúva negra, você está errada, pois em geral o caminho mais fácil leva a conseqüências nada agradáveis e por vezes dolorosas, no caso do filme dolorosas no sentido literal da palavra.

Reprodução/ Marvel Studios
Reprodução/ Marvel Studios

Por fim caro leitor, Capitão América: Guerra Civil nos faz refletir a respeito de várias temáticas em nossa caminhada cristã, desde a submissão a Deus até o reconhecimento do verdadeiro inimigo que tenta nos manipular por meio de nossa natureza humana e emoções. Nossos olhos foram abertos para a verdade, e, portanto faz-se necessário que no cotidiano tenhamos a capacidade de enxergar os mandamentos de Jesus até mesmo em um filme que muitos poderiam dizer não ter nada a ver com a vida Cristã, mas que na verdade podemos aproveitar de maneira responsável e ao mesmo tempo divertida os momentos dos filmes que de forma indireta nos lembram os valorosos e verdadeiros ensinamentos da poderosa Palavra de Deus.

Thiago Silva

Thiago Silva

Amante do Evangelho Salvador de Jesus e apreciador da maravilha chamada vida, em sua simplicidade e complexidade. Apaixonado pela empolgante vida no campo e por toda partícula criada pelo Senhor em toda sua grandeza e poder. Todos os dias olhando para os céus, crendo em Deus e pensando com a liberdade nos dada por Cristo.
Thiago Silva

Últimos posts por Thiago Silva (exibir todos)